Arquivos

Categorias

Home » Destaques, Direito do Menor e do Adolescente, Direito Educacional

Bullying- Pais devem ensinar filhos a manter a calma para enfrentar humilhações

14 abril 2011 No Comment

Agressões freqüentes, como bullyng, não devem fazer parte das experiências da infância. Os pais devem ficar alerta para saber quando acontecem com a criança.

O presidente dos Estados Unidos Barack Obama, a atriz Kate Winslet e o jogador de futebol David Beckham são famosos, admirados e bem-sucedidos, que no passado já foram vítimas de bullyng. Eles foram alvo de humilhações que superaram o trauma e deram a volta por cima.

 Kate Winslet, estrela do filme Titanic, é bonita e talentosa. A atriz foi vítima de abusos na infância, o chamado bullyng. Ela era uma criança gordinha e sofria com chacotas de colegas, que a apelidaram de “pelancuda”.

Por dezenas de vezes Michael Phelps subiu ao pódio para receber a medalha de ouro. Mas os longos braços que o ajudaram a bater tantos recordes eram o motivo de gozações na escola.

 Phelps, um adolescente desengonçado, chegou a ser atacado fisicamente pelos colegas. Mas ele transformou essas dificuldades em motivação para ganhar e se tornou uma máquina de vencer nas piscinas.

O astro do futebol David Beckham faz parte hoje de uma campanha antibullying. Por causa da paixão pelo futebol, ele foi alvo de ataques de colegas que o achavam estranho.

 Na abertura de um encontro sobre o tema na Casa Branca, até o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, admitiu que foi vítima de humilhações na infância. “Com minhas orelhas grandes e este nome que tenho não fiquei imune”, diz.

Porque algumas pessoas conseguem superar o trauma causado pelos abusos e outras se tornam agressivas? Segundo a psicóloga Leah Spiro, especialista em crianças e adolescentes, isso depende muito da personalidade de cada um.

“Há pessoas frágeis, com problemas em lidar com situações difíceis. Outras são mais fortes, encontram apoio em casa e conseguem achar uma maneira saudável de processar esses abusos”, explica Leah Spiro.

 Apelidos e brigas. Muitas pessoas acham que os abusos emocionais e físicos fazem parte do processo normal de crescimento e que as crianças devem aprender a se defender sozinhas, resolvendo seus próprios problemas. Mas as agressões frequentes não devem fazer parte das experiências da infância e os pais precisam ficar alerta para saber quando elas estão acontecendo.

 “Se a criança tiver alterações no sono, estiver ansiosa, calada, deprimida, sem apetite e sem amigos, talvez seja hora de agir e falar com os professores. É preciso conversar com a criança e esperar que ela seja capaz de dizer o que está acontecendo”, orienta Leah Spiro.

 Para enfrentar as agressões, a psicóloga recomenda que os pais ensinem os filhos a se manterem sempre confiantes e calmos.

Tem que dizer “não” e “pare com isso” com voz firme e segura quando as agressões acontecerem.

Falar palavrões e insultos para se proteger só piora o problema. Também é preciso saber pedir ajuda ao professor.

 A escola tem obrigação e responsabilidade de evitar esses abusos, mantendo um ambiente de respeito e de proteção para o aluno.
 

Edição do dia 14/04/2011

 14/04/2011 13h47 – Atualizado em 14/04/2011 13h47

Imagem pesquisa google

Publicação Valéria Reani

 

Comments are closed.