Arquivos

Categorias

Home » Áreas do Direito, Destaques, Direito Educacional

DIREITO EDUCACIONAL:“Pulseira do sexo” alarma escolas

2 março 2010 No Comment

Um modismo Inocente Apenas a primeira vista se espalhou em escolas do ensino fundamental de Curitiba e está fazendo com que tomem atitudes direções de Colégios de orientação. , São como pulseiras finas começaram e coloridas de silicone, um que aparecer nos braços de pré-adolescentes e adolescentes de duas semanas para cá.

Diferentemente das Pulseiras da Campanha contra o Câncer, promovida pelo ciclista Lance Armstrong viraram fenômeno mundial e que há cinco anos, os novos adereços fazem parte de um jogo de conotação sexual. Cada cor representa um ato afetivo, ou sexual, que vai desde um abraço a relações sexuais completas. Em teoria, uma Pessoa que teve uma pulseira arrebentada precisa Cumprir o que comanda uma cor. O jogo teve início na Inglaterra, conhecido como “Snap” E as pulseiras naquele país são de Chamadas “Bandas de pelúcia” ( “Pulseiras do Sexo”, em tradução livre).

Em Curitiba, Uma novidade é encontrada facilmente em banquinhas de camelôs. Cada Conjunto Com 20 Pulseiras em média custa R $ 2,50. São elas Chamadas pelos vendedores de “pulseira da Malhação. O nome pode ser referencia uma gíria para beijo, ou uma novela dirigida para o público adolescente que faz Sucesso com uma garotada. Mas são também conhecidas como pulseira” é fazer “sexo” da Pulseira Amizade “.

Pais de outras capitais de estado já haviam percebido uma moda, como e em São Paulo em Vitória, no Espírito Santo. Nas escolas de Curitiba, uma Pulseira começou a aparecer há dez dias, de acordo com as direções de colegios, nos Braços de estudantes a partir de 10 anos de idade até de adolescentes de 15 anos.

Mesmo que todas as regras do jogo Estejam não sendo cumpridas pelos pré-adolescentes, algumas direções estão tentando acabar com uma prática. Nas escolas do Grupo Bom Jesus, orientadores educacionais estão passando de sala em sala para conversar com os alunos e pedindo que não usem mais o adereço. O Colégio Marista Paranaense tomou medida semelhante ea direção prepara uma carta aos pais explicando o real significado do adorno Inocente, Deverá ser entregue por que e-mail, na próxima semana. “Se alguém tiver de proibir, tem de ser os pais”, lembra o diretor-geral, Valentin Fernandes. Enquanto isso, os professores orientam os poucos alunos que foram vistos usando como pulseiras.

A diretora da Escola Unika particular, localizada no Novo Mundo, Solange Fortunatto Unika, conta que lá o caso das pulseiras coloridas foi resolvido de forma rápida. Há pouco mais de dez dias, tão logo percebeu o real significado da bijuteria, resolveu reunir os poucos alunos que já tinham aparecido na escola e explicar uma conotação fazer uso. “A Grande Maioria nem sabia o que significavam as cores. Assim que souberam, sem problemas tiraram. Na realidade, os alunos da 4. ª série, por exemplo, nem sabiam da proposta do jogo”, comenta.

Diálogo antes de Proibição

A psicóloga Fernanda Gorosito, Clínica da Criança em Foco, OS Diz que Pais não Devem agir de forma apressada perceber se que seus filhos ganharam ou compraram as pulseiras. “A Proibição vai causar maior curiosidade. Para as crianças, não passa de uma brincadeira, elas não entendem uma conotação do ato. Os pais PRECISAM conversar para explicar que isso UM SER pode ato de Desrespeito com o próprio corpo “, diz a psicóloga. Que explica Ela a partir dos 8 anos as crianças começam masculino o um diferenciar do feminino ea mostrar sentimento pelos colegas. Alguns por isso chamam um amigo de namorado, ou namorada, sem sequer trocar um beijo. O namoro nessa idade em Consiste juntos tomar o lanche, por exemplo. Eles estão a gostar Desenvolvendo O, O diferenciar os sexos. Ainda Mas não tem noção do que é desejo sexual, somente Desenvolver o que vão na adolescência “, diz a psicóloga. Reafirma Ela, no entanto, que mesmo essa orientação para adolescentes sobre respeito ao corpo DEVE partir dos pais, que com calma os limites PRECISAM ESTABELECER, determinado com Diálogo.

Fonte Uol.

Publicação Valéria Reani

Comments are closed.