Arquivos

Categorias

Home » Áreas do Direito, Destaques, Direito Eletrônico, Legislação, Leis

Executivo elabora anteprojeto para proteção de dados pessoais em REDES SOCIAIS

24 janeiro 2011 No Comment
Deputados divergem sobre eficiência da proposta.
Proposta deverá regular redes sociais e dados de proteção ao crédito.

O Ministério da Justiça promove consulta pública, até 31 de janeiro, sobre o anteprojeto de lei que trata da proteção de informações pessoais em bancos de dados. O objetivo do anteprojeto é garantir o direito constitucional à privacidade, inclusive na internet. Não há data ainda para a proposta ser encaminhada à Câmara.

O texto deverá regular, por exemplo, as ações de redes sociais, como Facebook e Orkut, de bancos de dados de proteção ao crédito e de departamentos de marketing, além de normatizar o tratamento de dados pessoais pelo setor público. O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Teixeira (SP), considera o anteprojeto fundamental. “É preciso uma legislação que diga de que forma os dados serão armazenados, por quanto tempo e como os dados poderão ser abertos, para que a privacidade não seja violada”, diz. Já o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) acredita que é muito difícil garantir o cumprimento de uma lei com essa abrangência. “O controle de uso de dados nas redes sociais é muito difícil de ser feito”, opina.

De acordo com a Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, não existe no Brasil uma lei que trate especificamente da proteção de dados, sendo o tema abordado de forma incidental no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90). O código assegura, por exemplo, o direito do consumidor de ter acesso a informações pessoais arquivadas sobre ele e de exigir a imediata correção de dados inexatos. “Com o avanço da tecnologia, é cada vez mais comum que as informações pessoais sejam obtidas e utilizadas sem o conhecimento do seu titular. Esses dados merecem uma tutela forte e específica pelo ordenamento jurídico”, justifica o ministério, no texto de apresentação da consulta pública.

Consentimento
Pela proposta em discussão, a coleta, o armazenamento e a utilização de dados pessoais, bem como seu repasse a terceiros, só poderão ocorrer após o consentimento expresso do titular. Entre pessoas jurídicas de direito público, o fornecimento das informações também poderá ocorrer quando for necessário para a realização das competências institucionais. No caso de crianças, a coleta de dados apenas poderá ocorrer com a permissão dos responsáveis legais, além de ser vedado o uso dessas informações para fins comerciais.

Conforme o texto, no momento da coleta de dados pessoais, o titular deverá ser informado, de forma clara e explícita, sobre a finalidade da operação e sobre a forma como os dados serão tratados. Além disso, serão fornecidas informações como: a natureza obrigatória ou facultativa do fornecimento dos dados; as conseqüências de uma eventual negativa em fornecê-los; o âmbito de difusão das informações. A indicação de um diretor responsável pelo tratamento dos dados será obrigatória para as empresas com mais de 200 empregados.

Dados sensíveis
Ainda segundo o anteprojeto, nenhuma pessoa poderá ser obrigada a fornecer dados sensíveis, ou seja, aqueles que possam ocasionar discriminação do titular, como origem racial ou étnica, convicções religiosas, opiniões políticas e filiação sindical ou partidária. Também serão consideradas sensíveis as informações referentes à saúde e à vida sexual, bem como os dados genéticos. O texto proíbe ainda que sejam formados bancos de dados com as informações consideradas sensíveis, salvo disposição legal expressa. Nesse caso, o consentimento do usuário deverá ser manifestado por escrito.

A proposta cria também o Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais, com autonomia administrativa, orçamentária e financeira. Entre as competências do conselho estão: elaborar e executar ações da política nacional de proteção de dados pessoais; receber e encaminhar denúncias e sugestões referentes à proteção das informações; e aplicar sanções quando a lei for desrespeitada. As sanções previstas no texto vão desde multa até a proibição do funcionamento do banco de dados.

Outros países
Argentina, Uruguai, Colômbia e Canadá, além de alguns países da União Europeia, já aprovaram leis com o objetivo de proteger informações pessoais em banco de dados. Após a aprovação da legislação canadense sobre a matéria, por exemplo, a agência de proteção de dados do país identificou diversos pontos em que a atividade da rede social Facebook estava em desacordo com a lei. Em resposta, o Facebook modificou a sua política de privacidade não só para suas operações no Canadá como também para os usuários do mundo todo.

Entre os pontos modificados pelo Facebook a partir da iniciativa canadense está a possibilidade de o usuário, ao abandonar a rede social, apagar suas informações pessoais do site (e não apenas desativar a contar, deixando intactos seus dados).

Reportagem – Lara Haje
Edição – Marcelo Oliveira
Fonte Câmara dos deputados.
Imagens pesquisa google
Publicação Valéria Reani

Comments are closed.