Arquivos

Categorias

Home » Advocacia Empresarial, Destaques, Direito do Trabalho

Pesquisa aponta os ‘sete pecados capitais’ de um CEO

4 julho 2011 No Comment

Enquete do Financial Times indica que vaidade e agressividade são traços
vistos como negativos por diretores-executivos de empresas.

Uma pesquisa do jornal britânico Financial Times publicou uma lista com o chamou de ‘sete pecados capitai’ para um CEO (diretor executivo) de uma empresa.
A lista foi compilada com base nas respostas a um questionário entregue a 60 CEOs durante um ano e meio, cuja principal pergunta era:

CEO – Chief Executive Officer
Facilmente identificado, é o cara que manda em todo mundo – menos no chairmam (ou presidente do conselho) a menos que ele  seja poderosíssimo e acumule as duas funções.
Pode ser chamado de principal executivo,  residente, superintendente, diretor-geral… As pessoas costumam fazer confusão quando a empresa tem os dois, CEO e presidente. Nesse caso a função do segundo é mais representativa.

Quais são seus três pontos mais fracos?’.

Lucy Kellaway, que coordenou a enquete, diz que 58 dos 60 alto executivos admitiram ter momentos de fraqueza, mas que estes eram vistos como algo positivo.

Os ‘sete pecados capitais’ para um CEO, na visão dos próprios, são:

1. Controle exagerado;

2. Vaidade;
3. Hesitação;

4. Não sabe ouvir;
5. Ser agressivo;

6. Medo de conflito;
7. Não ser sociável.

Kellaway ressalta que os resultados mostram que não há diferença entre executivos homens, mulheres, europeus ou americanos.

Medo de errar
Kellaway diz que muitos dos CEOs não reconhecem em si mesmo vários pontos fracos. ‘E eu suspeito que o problema é pior: eles não sabem quais são suas falhas’, disse ela.

Segundo a pesquisadora, apenas dois dos 60 alto executivos que responderam à enquete admitiram cometer erros graves.

‘Essa negação dos próprios erros é uma pena. Nós gostamos mais das pessoas quando elas falam abertamente de seus defeitos. Isso faz delas mais humanas’,
diz.

Fonte: Jornal G1
Imagem pesquisa google
Publicação Valéria Reani

 

Comments are closed.