Arquivos

Categorias

Home » Áreas do Direito, Comunicação Social, Destaques, Direito do Consumidor

Quais os cuidados na hora de escolher o Plano de Saúde?

14 fevereiro 2011 No Comment

A Importância do Plano de Saúde

Por Valéria Reani

É dever de o Estado garantir que todo cidadão brasileiro tenha direito a saúde, conforme dispõem o art. 196 da Constituição Federal, expressamente que: “é dever do Estado adotar políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”, o que inclui o fornecimento de medicamentos indispensáveis ao tratamento de pessoas portadoras de enfermidades.

Temos que admitir que o Brasil, infelizmente é um país deficiente em saúde pública. Quando se fala em SUS (Sistema Único de Saúde), é inevitável lembrar-se de tristes casos de filas, sem vagas e sem médicos nos hospitais e postos de saúde, sempre noticiados nas televisões e jornais.

O Estado continua despreparado para atender os cidadãos que dependem de tratamento médico como única possibilidade de manutenção da vida.

Dentre vários motivos, o despreparo do Estado para atendimento de saúde contribuiu para que surgisse alguma opção atendimento  adequado nesse setor. Estamos falando do Plano de Saúde!

Mas o que é um Plano de Saúde?

Plano de Saúde é um contrato que garante a cobertura de custos (gastos) com assistência médica, hospitalar e ambulatorial, a ser prestada pela Rede Assistencial, em conformidade com a lei 9.656/98 aos usuários devidamente inscritos.

Lei 9656/98 “ in verbis”: “Plano Privado de Assistência à Saúde: prestação continuada de serviços ou cobertura de custos assistenciais a preço pré ou pós-estabelecido, por prazo indeterminado, com a finalidade de garantir, sem limite financeiro, a assistência à saúde, pela faculdade de acesso e atendimento por profissionais ou serviços de saúde, livremente escolhidos, integrantes ou não de rede credenciada, contratada ou referenciada, visando a assistência médica, hospitalar e odontológica, a ser paga integral ou parcialmente a expensas da operadora contratada, mediante reembolso ou pagamento direto ao prestador, por conta e ordem do consumidor”.( ver legislação no site www.valeriareani.,com.br)

Ter um plano de saúde, principalmente hoje em dia, é sinônimo de maior segurança ao associado e toda sua família, pois garante a todos um atendimento de maior qualidade no momento de precisão.

Já com o auxílio de um plano de saúde o atendimento é muito mais rápido e ainda oferece mais opções do local de atendimento.

Ter um plano de saúde ainda nos traz maior tranqüilidade na hora de realizar tratamentos médicos, pois esses são bastante custosos, e não é sempre que estamos preparados financeiramente para arcar com essas despesas em um momento de emergência.

De acordo com dados da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), no primeiro trimestre deste ano foram contabilizados 41,4 milhões de beneficiários em planos de assistência médica e 11,3 milhões em planos exclusivamente odontológicos.

Alguns pontos devem ser considerados no momento de se contratar um plano de saúde. Entre eles estão: prazos de carência, coberturas, reajustes e contratos.

Confira as dicas da própria agência para acertar na hora de contratar seu plano:

Operadora: é importante verificar se a operadora está cadastrada na ANS e se o plano escolhido está registrado. Essa consulta pode ser feita pelo telefone (0800 701 9656) ou pela internet (www.ans.gov.br).

Plano: observe se o plano escolhido atende às suas necessidades. Para isso, é importante saber a diferença entre eles:

Plano referência – garante assistência ambulatorial, hospitalar e obstétrica no âmbito do território brasileiro, com padrão de acomodação enfermaria.

Plano ambulatorial – Inclui os atendimentos de consultas, em número ilimitado, e os procedimentos diagnósticos e terapêuticos para os quais não seja necessária a internação hospitalar.

Plano hospitalar sem obstetrícia – inclui os atendimentos e procedimentos realizados durante a internação hospitalar, exceto obstetrícia. Este plano não tem cobertura ambulatorial.

Plano hospitalar com obstetrícia – além do que está incluído no plano sem obstetrícia, o plano com obstetrícia inclui os procedimentos relacionados ao parto.

Plano odontológico – inclui os procedimentos odontológicos realizados em consultório.

A ANS, afirma ser possível fazer combinações entre os diferentes planos, tornando a escolha mais adequada e vantajosa de acordo com a necessidade do cliente.

Cobertura: avalie se você precisa de um plano que atenda apenas em seu município ou se existe a necessidade de uma abrangência nacional ou, até, internacional. Além disso, verifique se a rede credenciada da operadora escolhida atende às suas necessidades.

Prazos de carência: carência é o período em que o consumidor não tem direito a algumas coberturas.

Prazos de carências máximos permitidos por lei são:

  • 24 horas para os casos de urgência e emergência;
  • 300 dias para partos;
  • 180 dias para os demais casos;
  • 24 meses para cobertura de doenças ou lesões preexistentes

Preços: variam de acordo com a idade, a cobertura, a rede credenciada e abrangência geográfica.

Contrato: leia com atenção o contrato e verifique, além de todos os pontos já citados, a política de reajuste de preços. Além dos aumentos por mudança de faixa etária, pode haver anualmente, um reajuste no valor da mensalidade por conta das variações dos custos assistenciais da operadora.

Pontos que o consumidor deve ficar atento

PESQUISAR junto a médicos, parentes e amigos sobre diversos planos existentes no mercado, e selecione os dados necessários para comparação e uma satisfatória escolha;

LEITURA ATENTA de todo o material informativo, do contrato e das condições da apólice, para evitar surpresas futuras;

O VENDEDOR é, naturalmente, um entusiasta do produto que vende. E nem poderia ser diferente. Sobretudo quando vende um produto que dispensa maquiagem e se impõe pela qualidade! Entretanto, o interessado deve fazer ao Representante todas as perguntas indispensáveis ao esclarecimento de dúvidas.

O Plano de Saúde há de ser transparente, claro e auto-explicativo

COMPARACÃO ENTRE PLANOS DE SAÚDE

  • As coberturas/carências,
  • A rede credenciada de médicos/hospitais/laboratórios,
  • A abrangência geográfica dos planos (municipal, regional, nacional e também planos que têm alcance internacional, ou seja, cobrem despesas ocorridas no exterior),
  • Compare as facilidades na obtenção de informações em plantão telefônico 24 horas,
  • Compare porte/tradição das Seguradoras que estão dando a cobertura aos planos,  
  • Compare o padrão dos serviços oferecidos (hospitais, médicos, laboratórios credenciados),

Consulte as pessoas que já têm planos de saúde, para melhor conhecimento, na prática, sobre o funcionamento dos mesmos, para que você não se torne apenas um mero usuário.

“Mensalidade” é um dado importante, mas é apenas um dos diversos aspectos que deverão subsidiar a sua decisão final.

GUIA DO SEGURADO

O Segurado deverá receber da empresa um guia completo que esclarece, de maneira simples e objetiva, todos os benefícios e procedimentos do Plano de Saúde.

TRANQUILIDADE

Na dúvida, consulte sempre um profissional independente que poderá lhe dar uma posição neutra.

Consulte sempre um advogado de confiança, pois cada caso concreto é único e pode não se enquadrar nas hipóteses aqui mencionadas.

ALGUMAS QUESTÕES IMPORTANTES RELATIVAS A PLANOS DE SAÚDE

Especialistas apontam que Planos de saúde é o segundo benefício mais desejado pelos funcionários de uma empresa e também de vital importância para a manutenção da saúde de uma família.

Ressaltamos que, para comprar um plano de saúde hoje em dia não é necessário consultar várias Corretoras de planos de saúde, pois existem sites com link de Simulação On Line, onde o  próprio cliente faz sua simulação de plano de saúde e fica sabendo em instantes qual será o custo mensal de seu plano.

Isso serve tanto para planos de saúde individuais, bem como empresariais e para profissionais liberais, Advogados, Engenheiros, Médicos, Enfermeiros, Dentistas, Arquitetos, Professores Público ou de escolas particulares, Funcionário Público do estado ou federal, Jornalistas, Publicitários, Estudantes, Tecnólogos, Corretores de Imóveis e muitos outros profissionais liberais, bem como para também, Associações, Cooperativas e Sindicatos.

A História das operadoras de planos de saúde mudou completamente a partir de 1.999, quando a ANS passou a regulamentar os planos de saúde, visto que não existia praticamente qualquer  regra.

De acordo com a Lei 9656/98, todas as operadoras devem oferecer cobertura a doenças e lesões preexistentes (AIDS, Doenças Infecto-Contagiosas, Diabetes, Câncer, Cardíacos entre outras), mesmo para contratos que não previam este tipo de cobertura. Nesses casos, os prazos para inicio da cobertura completa variam de acordo com o tempo de contrato na data de sua adaptação:

  • Contratos com, no mínimo, cinco anos e aqueles que não prevêem exclusão de doenças e lesões preexistentes, doenças e procedimentos específicos discriminados em contratos – o consumidor terá direito a assistência imediata a partir da adaptação do contrato.
  • Contratos assinados há mais de 18 meses e que estão em vigor ha menos de cinco anos – o consumidor terá de esperar seis meses, a partir da adaptação do contrato, para ter direito a cobertura completa, que inclui eventos cirúrgicos, leitos de alta tecnologia (por exemplo, internação em UTI) e procedimentos de alta complexidade (por exemplo, radioterapia, hemodiálise, quimioterapia). Este período de espera é chamado de cobertura parcial temporária.
  • Contratos assinados há 18 meses na data da adaptação – nestes casos, a cobertura parcial temporária se estende até que se completem 24 meses de contrato.

 A partir de 2004 com a vigência do Estatuto do Idoso ( consulte o Estatuto no site www.valeriareani.com.br ), os planos de saúde passaram também por mais uma mudança.

Antigamente os planos eram reajustados a cada 5 anos e desde a implantação do estatuto do idoso, passaram a reajustar a cada 10 anos.

IMPORTANTE RESSALTAR

O consumidor tem direito a atendimento ambulatorial de até 12 horas em caso de urgência / emergência das doenças em que estiver cumprindo cobertura parcial temporária. Passado este prazo, ou se o paciente necessitar de internação hospitalar será encaminhado a uma unidade da rede pública ou arcará com as despesas de atendimento em hospitais privados. A operadora arcará com a responsabilidade e os custos de encaminhamento.

Coberturas dos planos e seguros saúde previstos na lei compreende a cobertura de consultas em número limitado, exames complementares e outros procedimentos, em nível ambulatorial, incluindo atendimentos e procedimentos caracterizados como urgência e emergência até as primeiras 12 horas.  

Procedimentos em hemodinâmica.

Compreendem atendimento em unidade hospitalar com número ilimitado de diárias, inclusive em UTI, transfusões de sangue, quimioterapia e radioterapia entre outros, necessários durante o período de internação. Inclui também os atendimentos caracterizados como de urgência e emergência que evoluírem para internação ou que sejam necessários à preservação da vida, órgãos e funções.

No caso de duvidas entre em contato com o
Disque Saúde – Telefone: 0800 61 19 97 ou escreva para:

Ministério da Saúde, Depto. de Saúde Suplementar Esplanada dos Ministérios – Bloco G, sala 724 – 70058-900 – Brasília-DF

Vale lembrar que, todos os planos de saúde têm quantidades diferentes de produtos, cada um atrai o cliente com benefícios específicos, mas todos obedecem a mesma regulamentação.

Por fim, se você já tem um emprego ou uma renda estável, recomendamos fazer um plano de saúde, antes de fazer qualquer outro investimento.

Outro ponto de vista importante também: seus pais possuem plano de saúde?

Regra geral, os preços dos planos de saúde para os mais idosos são bastante “caros”, isso porque os idosos tendem a ficar doentes mais facilmente. Que tal planejar, juntamente com seus irmãos, um plano de saúde para seus pais?

Se você ainda não tem condições de fazer um plano de saúde, recomendamos fazer um “fundo de reserva” ou “fundo de emergência”.

Como o próprio nome diz, trata-se de guardar um dinheiro reserva para emergências! Saúde tem prioridade!

Comece o ano de 2011 com o pé direito e com um bom Plano de saúde! O Resto você vai tira de Letra!

Conheça os assuntos relacionados aos Planos de saúde, solicite Cartilhas e Legislação pertinente no site :  www.valeriareani.com.br

Referência Bibliográgia.
LegislaçãoAgência Nacional de Saúde:
Complementar/http://www.ans.gov.br/portal/site/legislacao/legislacao.asp
Lei 9.656, de 3 de junho de 1998;
Site Planosegurossaude
 Publicação por Valéria Reani
Imagem pesquisa google

 

Comments are closed.