Arquivos

Categorias

Home » Advocacia Empresarial, Comunicação Social, Destaques, Dicas Gerais, Direito do Trabalho

Vergonha ou medo de falar em público dificultam busca por emprego!

22 junho 2011 No Comment

Há alguns erros que devem ser evitados no ambiente de trabalho e em Palestras ou Apresentações de equipe.

Especialistas  ensinam quem tem dificuldades de comunicação. “Se eu falar com alguma pessoa e ficar grudada, a outra pessoa não vai gostar. É como se tivéssemos em um círculo. As pessoas precisam respeitar pelo menos um metro de distância para falar, principalmente em um  mbiente empresarial”, explica Eunice Mendes, consultora em comunicação
pessoal.

DICAS

Em uma conversa ou reunião;

evite mexer no cabelo:

Se for mulher pode prendê-lo;

Não manipule objetos como caneta ou chaveiro, nem fique mexendo na gravata ou nos óculos;

Elimine as palavras como tá, né, ok, certo, tipo assim, acho que, a nível de e é isso aí;

Procure não usar palavras estrangeiras ou palavrões.

Não precisa ficar tenso, de braços cruzados, porque isso só afasta;Só aumenta a distância entre você e as pessoas da reunião”, sugere a  consultora.

Evite olhar  para o chão ou teto.

“No momento em que a pessoa olha pro chão ou para o teto, a pessoa me perde”, orienta a especialista. “Quando a pessoa coloca as mãos para trás passa a mensagem de estar insegura e não sabe o que fazer. A mão cruzada, em cima do abdômen, significa que eu não estou muito receptiva e dá um ar meio relaxado. Os gestos, as palavras e meus atos precisam ter coerência e equilibro.

“Já a mão na cintura parece que sou dona do estabelecimento e isto dá uma pose muito prepotente. Se a pessoa tiver uma boa estrutura para a fala, as mãos acompanharão normalmente a mensagem.”

O medo de comunicação  deve ser enfrentado ainda na adolescência.

Exercícios ajudam quem tem dificuldades para fazer uma palestra, falar em público ou apresentar um trabalho.

Na comunicação oral

Falar muito baixo ou muito alto.
– Falar muito depressa ou muito
devagar.
– Falar com voz estridente.
– Falar em tom monótono, sem
modulação.
– Diminuir o volume da voz no final de frases.
– Falar como um ‘robô’.
– Omitir “s” e “r” finais.
– Usar muitos termos estrangeiros.

Pronunciar incorretamente os termos estrangeiros.
– Ser repetitivo(a).

Expressar-se sem objetividade e clareza.
– Usar termos técnicos para um público leigo.
– Usar argumentos inconsistentes e genéricos.
– Perder-se em detalhes.
Utilizar vícios de linguagem: ‘Tá?’; ‘Né?’; ‘Ok?’; ‘Certo?’;  Entendeu?’; ‘Percebe?’; ‘É isso aí!’; ‘Tipo assim… ‘; ‘A gente’; ‘Acho que…  . A nível de “…
– Repetir as mesmas coisas, mesmo que de formas diferentes ou usar pleonasmos tais como: ‘elo de ligação’; ‘novo lançamento’; ‘acabamento final’; ‘certeza absoluta’, ‘sintomas indicativos’; ‘detalhes minuciosos’;  ‘encarar de frente’; ‘multidão de pessoas’; ‘retornar de novo’; ‘surpresa  inesperada’; ‘escolha opcional’ e ‘planejar antecipadamente’.

Na comunicação não verbal

– Manipular objetos (caneta, chaveiro, crachá, gravata etc.).
– Ajeitar constantemente os cabelos   os óculos.
– Coçar-se.
– Prender as mãos nas costas.
– Roer unhas.
– Cruzar os braços.
– Enfiar as mãos nos bolsos.
– Apoiar as mãos na cintura.
– Apoiar-se nos móveis.
– Olhar para o chão ou para o teto.
– Olhar muitas vezes para o relógio.

Na comunicação interpessoal

– mostrar-se prepotente.
– mostrar-se subserviente.
– Fornecer informações incorretas.
– Interromper o interlocutor, desrespeitando a sua vez de falar.

Alguns erros de pronúncia muito comuns:

CERTO
sobrancelha
desequilíbrio
meteorologia
asterisco
aura
beneficente
empecilho
invólucro
privilégio
frustrado
advogado

ERRADO
sombrancelha
desiquilíbrio
metereologia
asterístico
áurea
beneficiente
impecilho
envólucro
previlégio
frustado
adevogado

Fonte: Jornal Hoje/G1
Adaptação e Publicação Valéria Reani
Imagem pesquisa google

Comments are closed.